Artigos

O Valor Probatório Da Delação Premiada: sobre o § 16 do art. 4º da Lei nº 12.850/13

20/06/17
Gustavo Badaró
 A delação premiada é um dos temas do momento do processo penal. Sua análise pode partir de abordagens diferentes: jurídica, ética, psicológica, política... Nesse sentido, importa discorrer sobre a delação premiada, com vistas ao direito posto, sob o enfoque de seu valor probatório.

Por ora, vamos nos abster de quaisquer considerações ou questionamentos morais, ou de conveniência político-criminal, sobre a aceitação da delação premiada enquanto instituto fundado em uma reprovável “ética utilitarista” a legitimar legalmente um ato de traição. De qualquer forma, acredita-se que a delação premiada não será eliminada de nosso ordenamento jurídico, mormente por questões éticas, razão pela qual o que se propõe é um estudo voltado ao seu valor probatório. 

Se, de um lado, não parece possível imaginar a persecução penal de certas modalidades criminosas sem delação premiada, por outro lado, não é desejável ou admissível que toda e qualquer investigação criminal seja realizada com delação premiada. Sem eliminar nem banalizar o instituto, é preciso grande cuidado e prudência em sua utilização. É nesse contexto que se situa a regra legal de valoração do art. 4º, § 16, da Lei nº 12.850/13: “Nenhuma sentença condenatória será proferida com fundamento apenas nas declarações de agente colaborador”.

ÂMBITO DE APLICAÇÃO 
O ordenamento jurídico brasileiro apresenta disciplinas jurídicas específicas, em variados diplomas legais, sobre a chamada “delação premiada” ou colaboração processual. Tais normas geralmente se limitam a prever os requisitos para sua aceitação e, no plano do direito material, seus efeitos quanto à pena são, ora a extinção da punibilidade, ora o início do cumprimento de pena em regime aberto, ora apenas a redução da pena. Há, ainda, hipóteses específicas em que se possibilita a aplicação de pena restritiva de direito, ao invés de privativa de liberdade. Há, pois, variações quanto aos seus requisitos e efeitos penais. 

Apenas a título exemplificativo, há regimes específicos na Lei dos Crimes contra o Sistema Financeiro Nacional (nº 7.492/86, art. 25, § 2º), na Lei de Drogas (nº 11.343/06, art. 33, § 4º), na Lei de Lavagem de Dinheiro (nº 9.613/98, art. 1º, § 5º) e na Lei de Proteção a Vítimas e a Testemunhas, que também trata da proteção aos réus colaboradores (Lei nº 9.807/98, arts. 13 e 14).

De todos os regimes legais de delação premiada, o mais completo e detalhado é o da Lei das Organizações Criminosas (nº 12.850/13, arts. 4º a 6º), que estabelece a regra em comento, no § 16 do art. 4º. Sua aplicação, contudo, não será limitada à “colaboração processual” no âmbito da criminalidade organizada. 

Terá incidência também, por analogia, a todo e qualquer caso de delação premiada. Isso porque não há nada de peculiar ou especial, em relação ao crime organizado, que justifique essa restrição de valoração da delação premiada, que não se encontre nos outros regimes especiais que a preveem. Não é, pois, um caso de lex especialis derrogat generali. O que inspira a indigitada regra é a necessidade de maior cuidado e preocupação com o risco de erro judiciário, quando a fonte de prova é um coimputado. E isso não é diferente se o agente colaborador participa de organização criminosa, de tráfico de drogas, de lavagem de dinheiro ou de crime contra o Sistema Financeiro nacional. 

A REGRA DE VALORAÇÃO DA “DELAÇÃO PREMIADA” NA LEI Nº 12.850/13
Do ponto de vista probatório, a delação sempre enfrentou grandes resistências, pela sua natural potencialidade de gerar injustiças. E isso muito antes de se cogitar de delação premiada, em que a lei prevê prêmios ou benefícios ao “colaborador” que delata seus comparsas.

Até Manzini, cuja matriz ideológica dispensa comentários, afirmava não ser conveniente, além de ser ilógico, dar valor de testemunho às declarações do corréu em relação ao fato alheio, seja por razões de moralidade, seja para evitar fáceis e frequentes tentativas de vingança, de extorsões e de chantagem de terceiros, ou porque não se pode presumir no imputado a liberdade moral que se pressupõe na testemunha.

Modernamente, Munhoz Conde adverte que dar valor probatório à declaração do corréu implica abrir a porta para a violação do direito fundamental à presunção de inocência e a práticas que podem converter o processo penal em uma autêntica frente de chantagens, acordos interessados entre alguns acusados, entre a Polícia e o Ministério Público, com a consequente retirada das acusações contra uns, para conseguir a condenação de outros. 

Entre negar qualquer valor probatório à delação premiada, de um lado, ou dar-lhe valor pleno, de outro, é possível adotar um caminho intermediário: admitir a delação premiada, mas com valor probatório atenuado.

Foi nessa linha média, mas que não deixa de ser restritiva ante a regra geral do livre convencimento judicial, que a Lei nº 12.850/13 trouxe uma importantíssima regra legal de valoração, no que diz respeito à utilização da colaboração premiada como elemento de formação da convicção judicial contra os coautores ou partícipes delatados. O § 16 do art. 4º prevê que “nenhuma sentença condenatória será proferida com fundamento apenas nas declarações de agente colaborador”. 

Há, nesse ponto, inegável limitação legal ao livre convencimento judicial que, normalmente, é governado por regras epistemológicas e não jurídicas. Mas não se trata, por óbvio, de um retorno ao sistema da prova legal, em seus moldes medievais, “com uma minuciosa predeterminação das características e do valor de toda a prova (e de todo o indício) e na sua classificação em um sistema preciso de prevalências e hierarquias”. O § 16 do art. 4º não tem por objetivo determinar qual meio de prova ou quantos meios de prova são necessários para que um fato seja considerado verdadeiro. Ao contrário, trata-se de um regime de prova legal negativa, no qual se determina que somente a delação premiada é insuficiente para a condenação do delatado. O legislador não estabeleceu, abstratamente, o que é necessário para condenar, mas apenas, em reforço à presunção de inocência, o que é insuficiente para superar a dúvida razoável.

Trata-se de uma regra de corroboração, exigindo que o conteúdo da colaboração processual seja confirmado por outros elementos de prova. Logo, a presença e o potencial corroborativo desse outro elemento probatório é conditio sine qua non para o emprego da delação premiada para fins condenatórios. Este, aliás, já era o posicionamento que vinha sendo seguido pela jurisprudência, em relação às delações antes da Lei nº 12.850/13.

A REGRA DE CORROBORAÇÃO 
O § 16 do art. 4º é claramente inspirado no art. 192, comma 3 do Código de Processo Penal italiano, razão pela qual muitas das discussões que aqui poderão surgir, lá já vêm sendo tratadas pela doutrina e jurisprudência. Será útil, então, voltar a atenção para o Direito peninsular e os problemas lá suscitados. 

A jurisprudência italiana tem considerado que o controle sobre a valoração da declaração do coimputado deve se desenvolver sob um tríplice perfil: (i) em relação à credibilidade do delator, ou seja, a circunstância de que seja pessoa digna de fé (é o tema “de quem fala”); (ii) em relação à coerência e verossimilhança da narração (é o tema de “que coisa disse”); (iii) em relação aos chamados elementos extrínsecos, isto é, a circunstância de que a declaração do delator, na parte significativa da reconstrução dos fatos, encontre confirmação em outros elementos de prova (fenômeno não diverso da convergência dos indícios sobre uma mesma proposição). Os dois primeiros momentos são de análise de requisitos intrínsecos, sejam subjetivos, em relação ao declarante, sejam objetivos, em relação ao conteúdo da declaração, comuns à análise do valor de qualquer testemunho; já o terceiro, é um requisito extrínseco, específico do controle das declarações incriminatórias de corréu, isto é, da delação premiada.

A valoração do elemento intrínseco subjetivo deve se basear em um juízo unitário e complexo, considerando a pessoa do delator, com vistas a sua personalidade, seu passado, as razões que o levaram a confessar etc... Evidente que não será obstáculo o propósito “utilitarista” que leva o delator a confessar para obter um benefício legal, pois este é o componente essencial do chamado sinalagma da delação premiada. Logo, será fator de credibilidade o “desinteresse” do delator, isto é, a inexistência de um lucro pessoal, que pode ser resumido na ausência de animosidade, inimizade ou ódio do delatado.

Entre os elementos intrínsecos objetivos destacam-se a firmeza, a constância e a especificidade lógica da declaração. Por logicidade deve se entender a sua coerência interna e uma racional colocação no mosaico dos fatos narrados no processo. O conteúdo da declaração também deve seja articulado, isto é, exige-se uma narrativa rica em particularidades e especificidades, que permitam o controle de seu conteúdo através de fatos objetivamente verificáveis. Além da articulação, exige-se, ainda, a univocidade: a declaração consistir em palavras e locuções que não sejam ambíguas ou suscetíveis de significados diversos. 

Por outro lado, quanto ao requisito extrínseco da corroboração, como bem destaca Grevi, o objeto da confirmação exigida pela Lei, não podem ser as declarações provenientes do delator “consideradas em seu complexo”, mas devem ser “os fatos a que elas se referem, na parte em que se pretende ter em conta para fins de decisão”, devendo se ter em conta cada um dos sujeitos delatados e cada um dos fatos a eles atribuídos.16 Se assim não fosse, o sentido dessa corroboração, se confundiria simplesmente com uma confirmação genérica da atendibilidade do declarante, e não com a corroboração externa das asserções fáticas da declaração do delator. 

A concordância, portanto, deve ser analisada do ponto de vista objetivo (os fatos narrados) e subjetivo (as pessoas delatadas). Logo, é perfeitamente possível que parte do conteúdo da delação (p. ex., um determinado crime) encontre corroboração em outras provas, e parte não seja confirmada. Também é possível que haja prova concordante quanto a um dos delatados, e em relação a outro não. Em relação ao crime ou pessoa que não há corroboração, não será possível a condenação, pela limitação ao livre convencimento estabelecida no § 16 do art. 4º. Por outro lado, na parte em que houver harmonia com outros elementos, será possível a condenação, embora o juiz possa valorar a inexistência de outras provas na parte em que não houve confirmação, sob o ponto de vista da credibilidade (ou ausência de) do delator.

CORROBORAÇÃO RECÍPROCA OU CRUZADA

DELAÇÃO CONFIRMADA POR OUTRA DELAÇÃO
A lei não define a natureza do meio de prova do qual advirão os elementos de corroboração do conteúdo da delação. Em princípio, portanto, a corroboração pode se dar por intermédio de qualquer meio de prova ou meio de obtenção de prova: documentos, depoimentos, perícias, interceptações telefônicas...

Mas, uma questão interessante é se serão suficientes para justificar uma condenação duas ou mais delações com conteúdos concordes. É o que se denomina mutual corroboration ou corroboração cruzada. Ou seja, o conteúdo da delação do corréu A, imputando um fato criminoso ao corréu B, ser corroborado por outra delação, do corréu C, que igualmente atribua o mesmo fato criminoso a B. 

Cabe observar que a regra do § 16 do art. 4º da Lei 12.850 não atinge a delação premiada quanto a sua admissibilidade. Ao contrário, é uma prova admissível que, contudo, recebe um descrédito valorativo, por ser proveniente de uma fonte considerada “impura”, o que justifica seu ontológico quid minus em relação ao testemunho.

Se assim é, e se o próprio legislador atribui à delação premiada em si uma categoria inferior ou insuficiente, como se pode admitir que a sua corroboração se dê com base em elementos que ostenta a mesma debilidade ou inferioridade?

Assim sendo, não deve ser admitido que o elemento extrínseco de corroboração de uma outra delação premiada seja caracterizado pelo conteúdo de outra delação premiada. Sendo uma hipótese de grande chance de erro judiciário, a gestão do risco deve ser orientada em prol da liberdade. Neste, como em outros casos, deve se optar por absolver um delatado culpado, se contra ele só existia uma delação cruzada, a correr o risco de condenar um delatado inocente, embora contra ele existissem delações cruzadas. 

A MOTIVAÇÃO E O CONTROLE DA VALORAÇÃO DA DELAÇÃO
A nova regra também implicará um reforçado dever de motivação. O juiz, ao justificar a escolha da hipótese acusatória, como sendo aquela que resultou racionalmente aceita, entre outras hipóteses fáticas diversas, deverá indicar, além do conteúdo da declaração do delator, outro elemento de prova cujo teor aponte no mesmo sentido, confirmando, somando-se ao conteúdo da delação. 

Sem essa complementação probatória, restará contrariada a regra do art. 4º, § 16, da Lei 12.850/13. A delação “nua”, isto é, sem um elemento de confirmação é, por si, inidônea para justificar uma condenação. Logo, a condenação fundada isoladamente em delação premiada viola lei federal, cuja constatação independe de revolvimento do material probatório e poderá ser controlado mediante recurso especial.

Por outro lado, se o juiz indicar, além da declaração do delator, outros elementos de prova que a corrobore, terá atendido, em princípio, a exigência do § 16 do art 4º. Ainda assim, porém, será possível o controle da correção do raciocínio judicial em recurso especial. Isto porque, independentemente de revaloração da prova, o Superior Tribunal de Justiça poderá verificar se, efetivamente, o conteúdo da delação e o conteúdo do outro elemento de prova são, ou não, concordes.24 Concluindo pela harmonia dos elementos, o § 16 do art. 4º terá sido respeitado. Entretanto, se a conclusão for que o conteúdo do outro meio de prova invocado não corrobora o conteúdo da delação, tal regra legal terá sido contrariada. 

CONCLUSÕES
A título de conclusão, podem formulados seguintes enunciados:

A regra do § 16 do art. 4º da Lei nº 12.850/13 aplica-se a todo e qualquer regime jurídico que preveja a delação premiada.

O § 16 do art. 4º da Lei nº 12.850/13, ao não admitir a condenação baseada exclusivamente nas declarações do delator, implica uma limitação ao livre convencimento, como técnica de prova legal negativa.

É insuficiente para o fim de corroboração exigido pelo § 16 do art. 4º da Lei nº 12.850/13 que o elemento de confirmação de uma delação premiada seja outra delação premiada, de um diverso delator, ainda que ambas tenham conteúdo concordante.

Caso o juiz fundamente uma condenação apenas com base em declarações do delator, terá sido contrariado o § 16 do art. 4º da Lei nº 12.850/13, sendo admissível o recurso especial para o controle da violação de tal regra legal sobre prova. 
Legenda
* Publicado em: O Valor Probatório Da Delação Premiada: sobre o § 16 do art. 4o da Lei no 12.850/13, Consulex, n 443, fevereiro 2015, p. 26-29

** Gustavo Badaró é Livre-Docente, Doutor e Mestre em Direito Processual Penal pela USP. Professor Associado do Departamento de Direito Processual da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Advogado Criminalista.

Membro do Instituto Brasileiro de Direito Processual e do Instituto Iberoamericano de Direito Processual. Membro do Conselho Científico do Centro de Estudios de Derecho Penal y Procesal Penal Latinoamericano, do Instituto de Ciencias Criminales de la Facultad de Derecho de la Universidad Georg-August de Göttingen – Alemanha.

1 A expressão é de Fausto Martin de Sanctis (in Crime organizado e lavagem de dinheiro. São Paulo: Saraiva, 2009, p. 158).

2 MANZINI, Vincenzo. Trattato di Diritto Processuale Penale italiano. 6. ed. v. III. Torino: UTET, 1970, p. 313-14.
3 CONDE, Francisco Munhoz. La búsqueda de la verdad en el proceso penal. 2. ed. Buenos Aires: Hamurabi, 2003, p.

83-84.
4 NOBILI, Massimo. Il principio del libero convincimento del giudice. Milano: Giuffrè, 1974, p. 105.

5 AMODIO, Ennio. Libertà e legalità nella disciplina della testimonianza. Rivista Italiana di Diritto e Procedura Penale, 1973, p. 232.

6 SEIÇA, Antonio Alberto Medina de. O conhecimento probatório do coarguido. Coimbra: Coimbra, 1999, p. 205.
7 GREVI, Vittorio. Le ‘dichiarazioni rese dal coimputato’ nel nuovo Codice di Procedura Penale. Rivista Italiana di

Diritto e Procedura Penale, 1991, p. 1174.

8 O STF já decidiu que: “É certo que, de forma isolada, não respalda decreto condenatório. Sucede, todavia, que, no contexto, está consentânea com as demais provas coligidas. Mostra-se, portanto, fundamentado o provimento judicial quando há referência a outras provas que respaldam a condenação” (RE no 213.937-PA, Primeira Turma, Rel. Min. Ilmar Galvão, DJ 25.06.99). Neste mesmo sentido: HC no 71.803-RS, Segunda Turma, Rel. Min. Marco Aurélio, DJ 17.02.95; e HC no 75.226-MS, Segunda Turma, Rel. Min. Marco Aurélio, DJ 19.09.97.

9 “Art. 192. [...]. 3. Le dichiarazioni rese dal coimputato del medesimo reato o da persona imputata in un procedimento connesso a norma dell’articolo 12 sono valutate unitamente agli altri elementi di prova che ne confermano l'attendibilità.”

10 FERRUA, Paolo. La prova nel processo penal: profili generali. In: FERRUA, Paolo; MARZADURI, Enrico; SPANGHER, Giogio (Coord.). La prova penale. Torino: Giappichelli, 2013, p. 39. Uma análise fortemente crítica de tais critérios é feita por Mario Deganello (I criteri di valutazione dela prova penale. Scenari di diritto giurisprudenziale. Torino: Giappichelli, 2005, p. 160-206). Entre nós, e mesmo antes da Lei no 12.850/13, Walter Barbosa Bittar (Delação premiada: Direito estrangeiro, doutrina e jurisprudência. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011, p 193) já propugnava pela necessidade de corroboração da delação premiada, bem como pela adoção do tríplice critério da jurisprudência italiana.

11 DEGANELLO, Mario. Op. cit., p. 164.

12 DEGANELLO, Mario. Op. cit., p. 165. O autor descreve interessante julgado do Tribunal de Milão, de 16 de abril de 1996, em que se considerou que: “tendo em conta que algum dos delatores pertencem a facções políticas opostas (especialmente em relação a áreas diversas do mesmo partido, em vez de partidos diversos) àquela dos delatados [...] isso envolve um juízo de maior rigor quanto à verificação dos motivos (de rancor, de vingança etc.) que podem ter originado a delação. Por outro lado, quando o delator e o delatado pertencem à mesma agremiação política [...] ou ainda à mesma categoria (é o caso dos empresários), em razão da militância e o compartilhamento da mesma ideologia política que os une os primeiros, ou o espírito de solidariedade que liga os membros de uma mesma ordem profissional, para os segundos, constituem elementos que depõem pelo desinteresse por parte do delator no envolvimento em fatos delituosos dos delatados, salvo, obviamente, a prova de eventuais motivos de caráter pessoal que devem ser explicitamente invocados pelo delatado” (DEGANELLO, 2005, p. 166).

13 No sentido de que elementos indiciários também podem servir para corroboração: DELL’ANNA, Tiziana. L’esame del coimputato in reato connesso e la chiamata di correo. In: GAITO, Alfredo (Coord.). La prova penal. V. II. Torino: Utet, 2008, p. 570.

14 BEVERE, Antonio. La chiamata di correo. Itinerario del sapere dell’imputato nel processo penale. Milano: Giuffrè, 1993, p. 125.

15 BEVERE, Antonio. Op. cit., p. 127.

16 Nesse sentido: GREVI, Vittorio. Op. cit., p. 1182; e DELL’ANNA, Tiziana. Op. Cit., p. 550.

17 DELL’ANNA, Tiziana. Op. cit., p. 572.

18 BEVERE, Antonio. Op. cit., p. 132. No sentido de que elementos indiciários também podem servir para corroboração: DELL’ANNA, Tiziana. Op. cit., p. 571.

19 SEIÇA, Antonio Alberto Medina de (Op. cit., p. 220) observa, com razão, que “a delicadeza” do conhecimento probatório do coarguido reside na presumível proximidade com os fatos que caracterizam o thema probandi e, justamente “essa proximidade o coloca na privilegiada posição de adulterar a narração, continuando a apresentá-la credivelmente”.

20 Esse “defeito congênito” da delação cruzada é destacado por Franco Cordero (Procedura Penale. 5. ed. Milano: Giuffrè, 2000, p. 826) que, contudo, admite a mutual corroboration desde que proveniente de fontes independentes.

21 Na doutrina italiana, admitindo que o elemento de corroboração pode ser constituído por outra delação, desde que as declarações acusatórias sejam convergentes, intrinsecamente atendíveis e sejam realmente autônomas entre si: GREVI, Vittorio. Op. cit., p. 1179. Em sentido contrário, não admitindo da corroboração recíproca: NOBILI, Massimo. La nuova procedura penale. Bologna: Editrice Bologna, 1989, p. 315; VERRINA, Gabriele. Valutazione probatoria e chiamata di correo. Torino: Giappichelli, 2000, p. 109; DELL’ANNA, Tiziana. Op. cit., p. 576.

22 BEVERE, Antonio. Op. cit., p. 141.

23 Nesse sentido, em relação ao controle pela Corte de Cassação, da regra do art. 192, comma 3, do CPP italiano, cf.: NOBILI, Massimo. Titolo I – Disposizione generali (artt. 187-193). In: CHIAVARIO, Mario (Coord.). Commento al nuovo Codice di Procedura Penale. Torino: UTET, II, p. 418; BEVERE, Antonio. Op. cit., p. 135.

24 GREVI, Vittorio. Op, cit., p. 1184. 
« Voltar